Viver

Alex D’Alva Teixeira e Teatro Praga vão homenagear em Leiria o autor de clássicos como “Olhá Bola, Manel” ou “Joana Come a Papa”

15 mai 2024 09:30

Festival A Porta acaba de divulgar os programas Portinha e 1001 Portas para a edição que se realiza dentro de semanas

alex-dalva-teixeira-e-teatro-praga-vao-homenagear-em-leiria-o-autor-de-classicos-como-olha-bola-manel-ou-joana-come-a-papa
José Barata Moura (à direita na imagem) criou canções que marcaram várias gerações em Portugal
DR

Segundo a organização, em 2023, mais de 20% do público do Festival A Porta participou nas actividades da Portinha. E o programa para 2024 já é conhecido. Destaque para o espetáculo Fazer Uma Canção, de Alex D’Alva Teixeira com o Teatro Praga, de homenagem a José Barata Moura, o autor de clássicos como “Olhá Bola, Manel” ou “Come a Papa, Joana Come a Papa”.

Em 2024, o Festival A Porta acontece de 9 a 16 de Junho, nas ruínas do Convento dos Capuchos, em Leiria.

Na Portinha, com dezenas de propostas para crianças e jovens, incluem-se workshops, performances, concertos, oficinas e contos.

Logo no primeiro dia, ficarão disponíveis três instalações desenvolvidas em residências artísticas que formam um labirinto sensorial que pode transportar os visitantes para o passado ou para o futuro, consoante o percurso que escolham fazer. Ana Lopes Mesquita (Projeto Kalambaka), Dina Fonseca (Oficina da Cor) e Luís Lacerda são os artistas convidados.

No mesmo dia, será possível visitar as instalações Isto é uma Porta, ou não?, resultantes de trabalhos dos alunos da Brave Generation Academy e da Escola Básica dos Capuchos.

Está também prevista uma recriação histórica interpretada por Carlos Vieira baseada em episódios do quotidiano do Convento de Santo António dos Capuchos.

Aulas no Convento

No serviço educativo, este ano reforçado, o Festival A Porta convida escolas e outras instituições para piqueniques, peddy-papers ou até aulas no Convento, entre outras iniciativas.

Além de um workshop de música para bebés orientado por Francisco Oliveira (Tito), outro momento da Portinha é a oficina Uma Aventura na Terra do MindSerena, desenhada para ajudar crianças e jovens a compreender os seus sentimentos, a focar a atenção, a lidar com emoções difíceis e a manter a calma em momentos desafiantes, através de práticas de mindfulness, reflexões, aprendizagens, curiosidades, dicas e jogos que integram o programa de competências socioemocionais proposto pela pedagoga Patrícia Mano.

Para todos os públicos

Já o programa 1001 Portas, dirigido a adultos, contempla poesia, teatro, dança, ginástica, workshops e conversas, entre outras possibilidades.

A oferta abrange, por exemplo, workshops de escrita de letras de canções com Inês Apenas, ilustração erótica com a ilustradora Cara Trancada (Carolina Gil Lourenço), cocktails pelo The Monkey Business Bar do bartender Mauro Martins ou dança de conexão na gravidez pelo colectivo Luas & Faluas.

No cartaz, consta também um espectáculo encenado pelo Centro de Reabilitação e Integração de Fátima (CRIF), o espetáculo de poesia cómica Página Solta, de Beatriz Neri e Rita Mendes, uma jam poética conduzida por Diogo Guerreiro e Sara Wittmann, e o workshop de dança Ecstatic Dance Leiria (DanceOM) pela bailarina Geneviéve Louise.

Há ainda acções Music Declares Emergency de sensibilização para as alterações climáticas e uma conversa sobre sexualidade no feminino com a participação de Sónia Trópicos e Rita Queiroz, autoras do podcast Montadas na Simplicidade e representantes do Movimento LGBTI Leiria, moderada pela psicóloga e sexóloga Cláudia Vitorino.