Entrevista

Maria Guarino: “Com a ligação à indústria da região, poderemos criar emprego sofisticado e diferenciado na área da Saúde”

4 jun 2020 15:00

A coordenadora do ciTechCare – Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde fala do plano de criar em Leiria um projecto diferenciador para melhorar a investigação na área da Saúde, aliada à componente tecnológica, aprofundando a ligação entre Politécnico, empresas de moldes e plásticos e Centro Hospitalar de Leiria

“Muito do que usamos na Saúde, é de plástico ou de outros polímeros. Temos aqui uma rede já montada! O Politécnico tem uma forte ligação com a indústria que pode ser aproveitada para a aproximar do hospital e dos centros de saúde. Não podemos ignorar a realidade da nossa região e a nossa tradição na indústria dos moldes e plásticos”
Ricardo Graça
Jacinto Silva Duro

Em Maio, foi eleita coordenadora do ciTechCare – Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde. O que é o ciTechCare e como é que ele se integra na orgânica do Politécnico de Leiria?
É uma unidade de investigação do Politécnico de Leiria na área da Saúde, conjugada com a da tecnologia. Precisamos da área tecnológica para resolver problemas relacionados com dados, com equipamentos, com dispositivos, com monitorização dos doentes e com testes. Recentemente, com a Covid-19, foi evidente o défice que tínhamos para dar resposta atempada à questão dos testes. Foi graças à comunidade científica que conseguimos aumentar exponencialmente, a nossa capacidade de testes. Antes do ciTechCare, a Escola Superior de Saúde de Leiria (Esslei) tinha uma unidade de investigação em Saúde, que não era financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, e era muito focada na promoção da Saúde e da prestação de cuidados na área da Enfermagem, mas, com o seu crescimento, sentiu-se a necessidade de aumentar a dimensão da investigação. Criámos um projecto novo, onde conseguimos envolver o Centro Hospitalar de Leiria e a ARS Centro, que são nossos parceiros institucionais, com membros do Politécnico de Leiria e um membro doutorado de uma empresa do sector alimentar. A ideia é juntar os doutorados e colaboradores destas quatro instituições para criar um projecto diferenciador para melhorar a investigação na área da Saúde, aliada à componente tecnológica. Queremos que seja essencialmente focada na promoção da Saúde, no cuidado do doente e acompanhamento da doença crónica, na aposta em projectos de inovação associados à indústria, começando com a alimentar, uma vez que um dos nossos parceiros estratégicos é desse sector. Pretendemos ainda apostar numa área nova que se chama Clinical Engineering, ligada à Engenharia de Sensores e monitorização de dados em Saúde. Apresentámos o projecto à FCT e, a 13 de Maio de 2019, fomos avaliados por um painel internacional. Tivemos 12 pontos em 15 possíveis; uma excelente nota. Obtivemos um financiamento de quase meio milhão de euros para equipamento, para pagar a bolseiros de doutoramento - iremos ter quatro bolsas de doutoramento na área das Ciências da Saúde para estudantes que queiram trabalhar connosco.

Quem irá conceder esse grau?
Nalguns casos terá de ser concedido por universidades, uma vez que o Politécnico, apesar de ter celebrado um acordo que permite fazer doutoramentos em conjunto com universidades irlandesas, ainda não o pode atribuir a solo. Porém, para o processo de avaliação do ciTechCare, tudo isso foi negociado com a Faculdade de Medicina da Universidade Nova de Lisboa - a Nova Medical School -, com a Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição da Universidade do Porto e com a Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova. Já temos, inclusivamente, bolseiros a trabalhar aqui connosco, no âmbito desses protocolos. Vamos iniciar o processo de aquisição de equipamentos, para, em Setembro/Outubro, arrancarmos com o trabalho. E já temos uma série de projectos a decorrer nas áreas da reabilitação respiratória, da microbiologia e microbioma para doentes celíacos, do diagnóstico precoce para a diabetes mellitus, da promoção da saúde e actividade física - o projecto Movida, que teve um impacto directo na cidade de Leiria com a criação de uma aplicação, com estações espalhadas pelo Polis. Teremos ainda projectos na área do cuidador informal. São iniciativas para melhorar a comunidade, mas também é investigação. É pesquisa inovadora nunca testada, daí que precisemos sempre de uma fase de investigação clínica, onde comparamos as nossas ideias e propostas com o que já existe. No final, faz-se um estudo comparativo do produto ou serviço que criámos, para aferir se vale a pena o investimento. É uma unidade de investigação muito aplicada, diferente daquilo que vem nos livros e que procura dar respostas a problemas que vão surgindo no terreno.

Em destaque
“Muito do que usamos na Saúde, é de plástico ou de outros polímeros. Temos aqui uma rede já montada! O Politécnico tem uma forte ligação com a indústria que pode ser aproveitada para a aproximar do hospital e dos centros de saúde. Não podemos ignorar a realidade da nossa região e a nossa tradição na indústria dos moldes e plásticos”

Leiria está longe dos grandes centros...
A professora Carmo Fonseca, directora do Instituto de Medicina Molecular, visitou-nos, convidada pelo CHL, onde integro o Centro de Investigação do CHL, para discutir connosco caminhos a traçar, como, aliás, tem acontecido com outros cientistas. E disse-nos: "têm aqui um ecossistema inacreditável: têm os investigadores, os profissionais de saúde e têm a indústria. Podem pensar uma ideia, desenhá-la e fazê-la. Não precisam de andar a correr para a China ou para outro sítio. Quem me dera, em Lisboa, ter uma ideia e, depois, ter onde ir bater para a desenvolver." Temos de aproveitar esta maior sensibilização da nossa indústria regional e local para o sector da Saúde e para explorar o seu potencial... Muito do que usamos na Saúde, é de plástico ou de outros polímeros. Temos aqui uma rede já montada! O Politécnico tem uma forte ligação com a indústria que pode ser aproveitada para a aproximar do hospital e dos centros de saúde. Não podemos ignorar a realidade da nossa região e a nossa tradição na indústria dos moldes e dos plásticos.

É um projecto a médio prazo?
A dez anos. É uma integração em rede do Politécnico de Leiria e o seu saber- -fazer nas áreas da Saúde, das Tecnologias e do Design. Vamos precisar muito de estudar ergonomia e a forma como as coisas são desenvolvidas. Temos já muitas competências na área do Design com a ESAD.CR, que recebeu pessoas que trabalharam em Design para a Saúde e que têm experiência colhida no estrangeiro. O ciTechCare, o CDRSP e os centros de design do Politécnico, as instituições de saúde - o CHL, a ARS Centro e empresas do foro privado - serão partes importantes desta rede. Temos de apresentar projectos de ideias inovadoras às empresas e cativá-las, mas o contrário também tem de acontecer. Elas podem sentir uma nova necessidade e virem ter connosco. O know-how que temos pode ser útil para as organizações da região conseguirem enfrentar a crise que aí vem. Esta é, em simultâneo, uma situação terrível e uma oportunidade para juntar forças de áreas distintas, com um objectivo comum. Todos os dias recebemos contactos para saber a nossa opinião e ideias para resolvermos problemas de saúde primária. A 13 de Maio de 2020, lançámos a página de Facebook do ciTechCare, para celebrar um ano após a avaliação internacional e desde daí, já recebi contactos de investigadores, na área da Saúde, que trabalham em Lisboa e no Porto, e que são de Leiria, a indagar a possibilidade de regressarem e virem trabalhar para aqui. Com a ligação à indústria da região, poderemos, na área da Saúde, criar emprego sofisticado e diferenciado para estas pessoas altamente especializadas, que trabalham lá fora e são considerados das melhores do Mundo.

Perfil

Maria Pedro Guarino, 43 anos, foi eleita em Maio coordenadora do ciTechCare – Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde, do Politécnico de Leiria.

É também docente na Escola Superior de Saúde no mesmo estabelecimento de ensino superior e doutorada em Fisiologia, pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

Publicou vários estudos científicos em revistas nacionais e internacionais, foi investigadora responsável de projectos financiados e orientadora de vários alunos pós-graduados.

A sua área do interesse é a neuromodulação e avaliação de biossinais fisiológicos e fisiopatológicos, aplicados às doenças metabólicas e à diabetes em particular. Integra o Centro de Investigação do Centro Hospital de Leiria.

A proximidade física ao Hospital de Santo André, de Leiria, é uma mais-valia?
Sim, é. Temos, cada vez mais médicos e enfermeiros a virem ter connosco e a dizerem que se apercebem, na prática clínica, de coisas diferentes daquelas que vêm nos livros. Querem perceber se, realmente, é uma característica apenas dos doentes da região ou se é uma coisa nova. Querem saber como desenhar um protocolo para o fazer. Acontece na área dos biomarcadores e análises ao sangue, para a busca de proteínas e modificações que sejam características da região. Temos tido muita procura e é uma área onde gostaríamos de apostar. Por exemplo, na questão dos anticorpos da Covid- 19, se já tivéssemos optimizado e a funcionar um laboratório de biomarcadores poderíamos, quando era mais crítico, fazer as análises serológicas para tentar perceber como se iria comportar a imunidade. A nossa experiência com coronavírus antigos como o SARS-CoV-1 ou o MERS mostram que eles têm uma resposta imunológica muito marcada nos primeiros dias de infecção, mas que, ao fim de cinco a 30 meses, os anticorpos desaparecem. Não sabemos como este se irá comportar e era importante termos feito, desde o início, o doseamento de anticorpos, para tentar perceber como isso acontece. Somos financiados por dinheiros públicos e é fundamental que os investigadores tenham noção dessa responsabilidade. A nossa ciência tem de estar voltada para servir a comunidade. A ciência aplicada, numa instituição politécnica tem de ser prioritária.

Não estamos livres de voltarmos a ter de lidar com um vírus mais agressivo
“Regiões fora de Lisboa, vão ganhar habitantes com o teletrabalho”

 

Em 2018, foi uma das investigadoras responsáveis pela descoberta de um método que pode controlar a diabetes mellitus tipo 2, através de um dispositivo bioelectrónico. Como se controla uma doença como esta através de impulsos eléctricos?
São os chamados electrocêuticos. É uma abordagem diferente, utilizando dispositivos electrónicos para tratar doenças. Esse projecto é liderado pela Sílvia Conde, da Nova Medical School, investigadora no Centro de Estudos de Doenças Crónicas da Universidade Nova, onde trabalhei também durante anos. Tudo começou quando terminei o doutoramento em Doenças Metabólicas e quis mudar de área. A Sílvia trabalhava em controlo da respiração... tinha estudado dois órgãos que temos na bifurcação das carótidas, que são neurónios modificados e que se chamam corpos carotídeos (Carotid Bodies ou CB, em inglês). Sentem a variação dos gases no sangue e enviam essa informação ao cérebro que a reencaminha para os pulmões e coração para que adaptem a frequência cardíaca e respiratória às necessidades do organismo. Se subirmos uma montanha, com o ar mais rarefeit

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.