Entrevista

Marisa Barroso: “Aprendemos sobre o risco movendo-nos”

2 set 2021 17:06

Professora no Politécnico de Leiria, a responsável pelo projecto Baile dos Pastorinhos lamenta o preconceito criado à volta das danças tradicionais e a falta de actividade física na população, sobretudo nas crianças

Marisa Barroso
Ricardo Graça

O projecto Baile dos Pastorinhos nasceu em Leiria para preservar danças tradicionais e pretendeu envolver alunos e comunidades de cinco concelhos da região. Que impacto teve nas escolas?
Foi uma espécie de tsunami, porque viemos de um período de ausência de contacto e de actividades. Os factores surpresa e de inovação estavam lá. Foi como uma gota de água no deserto. Há vários impactos: o nosso, o das crianças, o dos agentes educativos envolvidos e até dos agentes políticos. Estamos a falar da cultura popular e de preconceitos e ideias pré-concebidas que existem na sociedade. Até as pessoas que estão envolvidas na cultura, por vezes, consideram que as danças tradicionais e populares não têm lugar nas novas gerações. Isso é mesmo um preconceito. As crianças tiveram uma receptividade enorme e muita curiosidade. Constatámos que não conhecem as danças portuguesas, mas conhecem danças latinas ou que vêm de França, como o ballet. É tudo muito novo, apesar de muito antigo, e isso é bonito de ver. Foi emocionante ver a forma como as crianças estão sensíveis. Estes preconceitos estão muito na cabeça dos mais crescidos, porque os jovens são muito receptivos e se for dança e música é algo que funciona, até as crianças mais cépticas.

Este é um projecto que alia o físico com a cultura. Duas coisas pouco destacadas na escola. Faltam mais projectos deste tipo para que os alunos possam dar maior relevância às artes?
É fundamental para uma sociedade desenvolvida. Há indicadores europeus e nós fechamos os olhos. Parece que a economia ou que outras coisas são mais importantes. Mas eu tenho um argumento: quando nascemos temos de lutar para chegar a um óvulo. Começamos com uma corrida. Isso dever-nos-ia dizer alguma coisa. Mas não. A importância da actividade física aliada à cultura fica um bocadinho para secundário. Temos de rever muita coisa. A arte e a actividade física fazem muito sentido na educação e estes projectos educativos deveriam ser muito mais eminentes e mais apoiados. A sociedade até gosta, mas depois as estruturas não estão feitas para valorizar esses trabalhos. Veja-se que este projecto tem de ser com base numa candidatura, não é algo que esteja enraizado e que tenha uma verba atribuída. Como não há sensibilidade suficiente na sociedade crescida, depois não chega às crianças. Por isso, estes projectos deveriam ser ainda mais impulsionados. Quando temos um projecto em que se acredita e que resulta, os outros agentes têm de criar condições: quer as estruturas de ensino quer os políticos e até a sociedade em geral. Estas danças tradicionais ensinam a cultura de uma forma vivida. É muito bonito ver o que ensinam as histórias de antigamente nos dias de hoje. É importante aliar a cultura à actividade física, e é extremamente necessário. As crianças estão muito carentes disso.

A educação física nas escolas é muito vocacionada para os desportos mais conhecidos. Está na altura de introduzir as diferentes danças?
A dança existe no currículo desde o pré-escolar até ao secundário. Qualquer professor pode ensinar numa vertente da expressão corporal, onde o tradicional também tem lugar. Estudos mais recentes mostram que os professores não têm formação base em dança e ao longo do seu percurso a oferta formativa é absolutamente reduzida. Também não há condições: faltam sistemas de som, salas e horários apropriados. Num estudo recente, com uma amostra bastante grande, 67% dizia que sentia falta de formação, e metade dos participantes sentia falta de motivação. Por isso, estamos noBaile dos Pastorinhoscom a associação de ranchos folclóricos. Esta união é extremamente importante. Os professores de Educação Física precisam de ajuda e o Baile dos Pastorinhos é uma tentativa de iniciar esses processos. Tivemos acç&ot

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
ASSINE JÁ
Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.