Viver

e-Book de José Luís Jorge retrata a "Reinvenção dos Dias", no Mosteiro da Batalha, durante o confinamento

25 jul 2020 10:47

As portas encerradas e a vila deserta de turistas conspiraram para devolver aos habitantes locais o seu espaço e o fotógrafo estava lá para retratar aqueles dias, onde foi preciso recriar o quotidiano.

A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
A Reinvenção dos Dias, por José Luís Jorge, retrata o confinamento e os primeiros dias de liberdade no Mosteiro da Batalha
José Luís Jorge

Durante o confinamento provocado pela pandemia de Covid-19, o fotógrafo e escritor José Luís Jorge apercebeu-se que o recinto à volta do Mosteiro da Batalha era utilizado como espaço de lazer e para a prática de exercício dos batalhenses confinados. 

As portas encerradas e a vila deserta de turistas conspiraram para devolver aos habitantes locais o seu espaço e José Luís estava lá para retratar aqueles dias, onde foi preciso reinventar o quotidiano.

Com a abertura do monumento Património da Humanidade, no dia 1 de Junho, os primeiros visitantes aventuraram-se por entre as seculares pedras.

E, mais uma vez, o fotógrafo e a sua lente foram testemunhas das primeiras visitas. "Os primeiros a chegar, foram casais e famílias. Todos portugueses. O único grupo de estrangeiros que vi foram alunos de Erasmus, na Universidade de Coimbra, que ficaram retidos em Portugal, durante o confinamento", recorda.

As fotografias desses meses foram compiladas num e-Book intitulado A Reinvenção dos Dias, publicado em parceria com a Direcção Geral do Património Cultural (DGPC)/Mosteiro da Batalha e que está disponível no site do mosteiro e da DGPC.

Para descarregar gratuitamente o e-Book, clique aqui

José Luís Jorge
www.joseluisjorge.com
Edição: Mosteiro da Batalha/Direcção-Geral do Património Cultural
Concepção gráfica: Licínio Florêncio
Julho 2020

A reinvenção dos dias
"Surgiu na Ásia, os seu efeitos chegavam-nos através dos noticiários, mas todos pensávamos que a distância nos livraria de problemas. Esquecemo-nos que o mundo do século XXI é um sistema de vasos comunicantes, uma máquina que funciona em permanente aceleração máxima: os homens e mulheres de negócios andam sempre à procura de novos negócios, as multidões de turistas constituem uma corrente contínua, como a eletricidade nos fios condutores, e os trabalhadores migrantes, sempre a correrem atrás de trabalho, atravessam todos os dias fronteiras. Assim, como não podia deixar de ser, em pouco tempo, o COVID 19, ocupou o mundo, instalando-se na vida de todos nós. Descobrimo-nos a viver em pandemia, palavra que a maioria de nós nunca tinha pronunciado, e, muito menos, pensado no seu significado e implicações: o encerramento de escolas e lojas, de fábricas e monumentos, a ausência de tráfego nas estradas e no céu, o confinamento das pessoas em suas casas, o uso generalizado de máscara, toda uma nova realidade que, entre dúvidas e receios, perplexidades e desafios, impôs, por um lado, e, estimulou, por outro, uma reinvenção do tempo e do(s) espaço(s). Ciente de que lidávamos com um intenso momento planetário, senti necessidade de o registar, utilizando a fotografia para isso. Apontei a objetiva a espaços habituados a multidões vindas das sete partidas do mundo, como o mosteiro da Batalha, (onde jaz D. Pedro, o Infante das Sete Partidas), documentando a realidade imposta pelo vírus. Encontrei o monumento entregue a uma espécie de solidão, com as portas cerradas, mas o lajedo envolvente — em especial ao final da tarde —, animava-se com jogos de futebol familiares, transformava-se em pista de skate e de patins, recebia caminhantes e ciclistas ou era palco de coisas mais “sérias”, aulas de karaté, ou treinos de desportistas profissionais, sempre atentos à forma física, apesar da interrupção das competições em que participavam. A amplidão do espaço, permitia liberdade de movimento a todos — maioritariamente habitantes locais — , sem se colocarem em risco. Quando acreditámos que o pior já tinha passado, os Apóstolos e os anjos músicos da porta monumental do mosteiro, observaram o regresso dos turistas, agora sob determinadas regras porque, afinal, o vírus continuava à solta. Tornou-se indispensável manter uma distância de segurança entre visitantes e todos se metamorfosearam em Zorros, máscaras a delinear as faces. Novas formas de estar e de visitar, parte do processo de reinvenção dos dias que todos experimentamos."

José Luís Jorge, fotógrafo/autor

Para descarregar gratuitamente o e-Book, clique aqui

As gárgulas não se mexeram e dos anjos-músicos nem um só som
Durante algum tempo, é certo, inspirámos a calma dos dias, recolhemo-nos no silêncio da Igreja vazia, ouvimos só as andorinhas nos claustros, sem turistas. Duas rolas nos ciprestes, a brisa nas sebes de buxo, os pombos nervosos com um pequeno milhafre a pairar na Torre do Relógio... As gárgulas não se mexeram e dos anjos-músicos nem um só som... Até o ruído do tráfego na estrada nacional, por alguns dias, cessou. Para os amantes do recolhimento e contemplação claustral estes teriam sido dias inolvidáveis, se tivessem tido a oportunidade de os usufruir no interior do Mosteiro, Mas que estranho silêncio este, o das “pedras mortas”! E o das praças desertas, dos cafés fechados, das lojas de recordações sem recordações, de um ou outro transeunte apressado... Mas foi só uma calma aparente. Porque a determinadas horas, sem o reboliço dos turistas nas praças e a entrarem e a saírem do Mosteiro, ele foi ainda companhia de quem o quis usufruir, mesmo fechado. Bastou estar atento. José Luís Jorge, que connosco está a trabalhar noutro projeto, esteve atento à realidade desses dias de confinamento forçado. E viu a urgência em documentá- los, bem como aos primeiros dias após a reabertura do monumento. Obviamente, mais do que simples documentos, até pela frieza que o vocábulo transmite, estas são fotografias de grande qualidade estética, onde o artista foi incapaz de escapar ao “engodo” da emoção. Dias singulares, no tempo das nossas vidas, aqui ficam para o futuro, na maneira como foram vividos e reinventados pelas “pedras vivas”, que somos todos nós."

Joaquim Ruivo director do Mosteiro da Batalha

(Texto escrito segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990)
Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.