Opinião

A rapariga da frutaria

28 mar 2019 00:00

“Ia eu adivinhar que a rapariga era instruída ao balcão da frutaria!”

Tenho o privilégio de ter uma amiga que considero inteligente, culta, atenta, sensível, professora por vocação. É uma Mulher que merece o trato escrito em maiúscula. É, sobretudo, uma esteta.

Mesmo que a propósito de uma qualquer banalidade procura sempre o belo como um bem superior, na forma como o diz, nas metáforas que usa. Amiúde me envia magníficas imagens de telas ou ilustrações a parafrasear um pensamento, o que me faz pensar dela que se serve da pintura como representação simbólica da vida.

Tem sempre o cuidado de me ensinar a arte como metáfora para aprender a ler o mundo de outro modo. Mas não é um privilégio meu, que esta atitude didática se repete nas suas aulas e com quem priva.

Há dias contou-me um episódio magnífico, que fez o favor de me autorizar a partilhar convosco, e que transcrevo tal como me disse: “a rapariga da frutaria aqui da Quinta do Alçada ontem olhou para o meu saco das compras e exclamou ‘Ai que saco tão lindo!’

É uma reprodução do ‘Passeio de Domingo’ de Seurat. Senti-me altamente fantástica e erudita na Quinta do Alçada, ao que lhe respondi, ‘Mas eu digo-lhe onde se compram...’. Não me deixou acabar a frase e disse, ´É na Livraria Arquivo, eu sei. Tenho dois A noite Estrelada, de Van Gogh, e O Grito, de Munch.

“Ia eu adivinhar que a rapariga era instruída ao balcão da frutaria!”

Convenhamos, é uma bela história! Mas é sobretudo um daqueles pequenos episódios que dá que pensar. É suposto vivermos num país com um razoável nível de vida, muito aquém de outros mas mesmo assim dentro dos limites do suportável.

Garantidas as necessidades básicas para a maioria da população, naturalmente, e segundo a hierarquia das necessidades de Maslow, surge a vontade de acesso à cultura enquanto realização pessoal.

Acontece vivermos um tempo conturbado no que à cultura diz respeito, ou melhor dizendo, no que à definição de cu

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO