Opinião

Da necessidade de sorrir

8 out 2020 17:35

Há dois dias morreu um senhor de quem gosto muito: Joaquín Tejón, o Quino.

Hoje apetecia-me escrever uma crónica ligeira, suave, daquelas que nos obrigam a pensar, mas nos deixam um sorriso de satisfação nos lábios e contribuem para melhorar o nosso humor.

Para mim não é uma tarefa fácil porque amiúde me dizem que levo tudo muito a sério e quando tento ser irónico dizem-me que estou a ser sarcástico.

Eu penso exatamente o contrário, mas como os outros são a maioria, devem ter razão, e a democracia é a expressão da voz de todos. Como se não bastasse, hoje sinto-me acabrunhado.

Há dois dias morreu um senhor de quem gosto muito: Joaquín Tejón, o Quino.

Pai da Mafalda e criador de cartoons que nos fazem sempre sorrir, pensar e refletir seriamente sobre o papel que cabe a cada qual no todo que somos enquanto civilização. Quino fez parte da bibliografia essencial com que tentei educar os meus filhos.

Creio que gostaram de o conhecer e se refletiu na nossa identidade, pelo menos a julgar por terem passado por um período de aversão à sopa, o que me leva a crer que a Mafaldinha lhes ficou na memória.

Entre o desejo de querer escrever com uma réstia de humor, a tristeza pela morte de uma pessoa que admirava – já agora: se a pessoa que me levou aqui do consultório, por engano com certeza!, a minha caricatura desenhada pelo punho do Quino quiser fazer o favor de me a devolver, fico grato e reconhecido, podendo deixá-la anonimamente na minha caixa de correio – e esta angústia que é sempre escolher um tema, dei comigo a pedir a uma muito amiga o favor de um tema inspirador.

Não se fez rogada e enviou-me um desenho do Quino onde uma “madame” dá instruções à servente para limpar e arrumar o caos em que está transformada uma sala.

No quadrinho seguinte a sala está imaculada e a “madame” olha para uma reprodução da Guernica, de Picasso, que a empregada resolveu recriar e as personagens sofridas da guerra têm agora um ar sorridente, tendo a minha amiga apostado na legenda: tudo depende do ponto de vista.

Ora toma, nem de propósito esta coincidência, embora eu adivinhe o seu luto também por uma figura que ela muito aprecia.

Depois fez ainda o favor de me contar um episódio ocorrido numa sua aula e que transcrevo na íntegra com a respetiva vénia e agradecimento: “Há dias numa aula de História de Arte, depois de falar da democracia ateniense, prometi à turma que os deixaria sair mais cedo se me soubessem responder a uma questão.

Escolhi um aluno aleatoriamente e a questão era ‘Qual o regime político de Atenas?’

Um dos alunos disse antes de eu perguntar: ‘não me pergunte a mim que eu sou burro!’, claro que o escolhi porque a questão era fácil e assim lhe proporcionava a oportunidade de brilhar.

Resposta do aluno: ‘monarquia’. Como os colegas estavam proibidos de ajudar sob pena de ficarem até ao toque, uma miúda disse-lhe baixinho: ‘é o contrário!’.

O aluno em causa, pensativo e a juntar as letras confuso: ‘Aiuqranom?’ E ainda rematou com ar sério, ‘Fica bué estranho!’ Foi hilariante e fez-me rir e só por isso o aluno foi o primeiro a sair de uma sala onde não se veem os sorrisos”.

E pronto, assim dou por cumprido o meu compromisso de colaboração com o nosso JORNAL DE LEIRIA.

Espero ter-vos feito sorrir mesmo que por detrás da máscara.

Até breve!

Texto escrito segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.