Opinião

O plano português

3 mai 2021 15:00

Uma nota importante relaciona-se com a ausência ou falta de maior detalhe sobre a natureza e montantes das medidas concretas subjacente ao plano

Portugal foi o primeiro Estado-Membro da União Europeia a submeter o Plano de Recuperação e Resiliência que irá ser analisado pela Comissão Europeia e pelo Conselho ECOFIN.

O plano engloba vinte áreas de intervenção, entre as quais a componente associada ao objetivo de capitalização e inovação empresarial através do aumento da competitividade e resiliência da economia com base em I&D, inovação, diversificação e especialização da estrutura produtiva.

O referencial consiste em capitalizar empresas economicamente viáveis anteriormente à crise pandémica e socioeconómica, e incentivar o investimento produtivo em áreas de interesse estratégico nacional e europeu.

A componente capitalização e inovação empresarial apresenta o montante global de 2.914 milhões de euros e assenta em dois pilares fundamentais, reformas e investimentos.

No lado das reformas, destaca-se a promoção da investigação, desenvolvimento e inovação nas empresas, a criação e desenvolvimento do Banco Português de Fomento, alargamento e consolidação da rede de instituições de interface, a definição de uma agenda de investigação e inovação para a sustentabilidade da agricultura, alimentação e agroindústria e o desenvolvimento do mercado de capitais e promoção da capitalização das empresas não financeiras.

Em termos de investimentos nacionais, destaca-se a capitalização de empresas e resiliência financeira e aumento do capital do Banco Português de Fomento (1.550 milhões de euros), a criação de agendas mobilizadoras para a Inovação Empresarial (558 milhões), a criação de Alianças Verdes para a Inovação Empresarial (372 milhões de euros), a renovação da rede de suporte científico e tecnológico e orientação para o tecido produtivo (186 milhões) e a Agenda de investigação e inovação para a sustentabilidade da agricultura, alimentação e agroindústria (93 milhões de euros).

Ao nível da Região Autónoma dos Açores, salienta-se o relançamento económico da agricultura (30 milhões de euros) e a recapitalização do sistema empresarial regional (125 milhões).

De destacar que no âmbito da componente de capitalização e inovação empresarial, encontra-se prevista a possibilidade de Portugal recorrer adicionalmente a empréstimos no valor até 2.300 milhões de euros para reforço dos programas das agendas mobilizadoras e de capitalização das empresas.

Afigura-se essencial a natureza produtiva e exequibilidade dos projetos de investimento que permitam a absorção dos fundos nas empresas de forma a fomentar o crescimento potencial da economia portuguesa a médio prazo.

Uma nota importante relaciona-se com a ausência ou falta de maior detalhe sobre a natureza e montantes das medidas concretas subjacente ao plano, que associadas à conjuntura de elevado risco aumentam a incerteza acerca das perspetivas de crescimento da economia portuguesa.

Texto escrito segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.