Opinião

Os efeitos da Argentina em Portugal

5 set 2019 00:00
marcio-lopes-docente-do-politecnico-de-leiria
Márcio Lopes, docente do Politécnico de Leiria

Ou seja, o PIB do país 1 é fortemente influenciado pelo PIB do país 2, e os efeitos da globalização económica são, ao fim e ao cabo, a rapidez com que as políticas económicas transitam de um país para o outro.

Em 1990, quando Anthony Giddens definiu a globalização como “a intensificação das relações sociais de escala mundial, relações que ligam localidades distantes de tal maneira que as ocorrências loc ais são moldadas por acontecimentos que se dão a muitos quilómetros de distância, e vice-versa.”

Do ponto de vista económico, a intensificação das relações entre os países é feita através do comércio e finanças internacionais, pelas taxas de câmbio, taxas de juro e as propensões marginais a importar.

Em termos muito genéricos, as relações mac roeconómicas entre os países dão-se do seguinte modo: PIB1 = f(PIB2) e o PIB2 = f(Exportações + Procura Interna)

Ou seja, o PIB do país 1 é fortemente influenciado pelo PIB do país 2, e os efeitos da globalização económica são, ao fim e ao cabo, a rapidez com que as políticas económicas transitam de um país para o outro.

Ora, desde a sua fundação em 1944, o maior empréstimo que o FMI já concedeu a um país foi no ano passado à Argentina, no montante de 50 mil milhões de euros.

Para termos uma base de comparação, dos 78 mil milhões de euros da troika emprestados a Portugal, coube ao FMI 26 mil milhões.

A Argentina está a vivenciar uma crise económica profunda. Em 2018, a sua moeda desvalorizou cerca de 50%, o PIB diminuiu 2,5% e o merc ado bolsista está em queda acentuada.

Este ano haverá eleições na Argentina e, seja qual for o resultado, o próximo governo terá duas opções: ou decretar uma moratória (anunciar unilateralmente o não pagamento da dívida ao FMI), ou impor um pacote de políticas económicas de extrema austeridade, como ocorreu na Europa durante o período troika.

As políticas de austeridade vão fazer baixar drastic amente a procura interna argentina e, consequentemente, o seu PIB.

A Argentina é o terceiro maior parceiro comercial do Brasil. Ou seja, quando o PIB argentino baixar, pela via do comércio internaciona

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO