Viver

A galeria improvisada que se revela numa fábrica abandonada em Leiria

29 abr 2021 12:48

Pintura mural e grafiti: nomes locais e internacionais 'ocupam' edifício na periferia da cidade

Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça
Fotografia de Ricardo Graça

E se um dos tesouros da arte urbana em Leiria se pudesse encontrar, afinal, não à vista de todos em fachadas, muros e outros suportes no espaço público, mas, pelo contrário, longe de olhares desprevenidos, no miolo de uma fábrica desactivada?

Uma galeria clandestina na periferia da cidade, onde se descobrem diversas fases dos cães de Ricardo Romero (Projecto Matilha), também gatos, tigres e dragões, o rancho intergaláctico de Tenório, o Bicho que quer ser gente, a distopia de Frio e o legado de vários nomes internacionais que vieram ao evento Paredes com História, entre outros temas e autores, no que é, provavelmente, o maior e mais rico exemplo, no concelho, da ocupação de edifícios abandonados por artistas de pintura mural e grafiti.

Ao centro, no piso térreo da antiga fábrica, os robôs folclóricos de Tenório dão corpo ao verso “Dame veneno que quiero morir bailando”, retirado de uma canção da banda punk galega Novedades Carminha.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
ASSINE JÁ
Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.