Desporto

A vida despojada de um comendador

11 jan 2020 15:14

André Lourenço é campeão do mundo de futebol de praia e assinou pela melhor equipa do planeta, mas continua a pisar com orgulho os relvados das mais humildes competições distritais de futebol

a-vida-despojada-de-um-comendador
Frente ao Ansião, André Lourenco começo a central e acabou a extremo esquerdo
Ricardo Graça

É uma tarde de domingo como tantas outras, fria e com jogos a acontecer em vários campos de futebol do distrito. No Albano Tomé Fèteira, em Vieira de Leiria, nove dezenas de espectadores aguardam pela saída do túnel dos jogadores de Vieirense e de Caçadores de Ansião, duas equipas de meio da tabela da Divisão de Honra distrital, o quarto escalão do futebol português. Ou penúltimo.

O speaker dá o onze da casa. “Com o 12, Ruben Lopes. Com o 4, Bruno Ferreira. Com o 6, Sérgio Letra. Com o 25, André Lourenço...” O rapaz olha para a bancada à procura da mãe, como sempre faz, mas não a encontra.

Sem manias, apenas um pouco refilão, André Lourenço passa despercebido, como convém a qualquer central. Contudo, nas bancadas, um pai identifica-o e comenta com o filho que “aquele rapaz que joga a central é campeão do mundo de futebol de praia”. A criança esbugalha os olhos, admirado por ver ali, naquele campo modesto, uma estrela de tal gabarito.

André Lourenço marcou um golo na final do Mundial, em Dezembro, no Paraguai

Sempre jogou “em todo o lado” e o treinador Luciano Silva decidiu colocá-lo no centro da defesa. André está menos em jogo, o que acaba por preservá-lo para a sua outra vida. A que realmente conta. Depois do título mundial, a recente transferência do GRAP para o Sporting de Braga, “o Real Madrid do futebol de praia”, mudou-lhe o destino.

“O futebol é o momento”, diz. “Qualidade, se calhar, até o meu vizinho tem mais do que eu. Simplesmente uns não tiveram sorte ou facilitaram no momento. Não tenho um dom, jogar à bola toda a gente joga, o que mudou foi saber aproveitar a oportunidade.”

Hoje, ele é um referência do futebol de praia e uma figura notável da sociedade. O Presidente da República atribuiu a Ordem de Mérito a todos os jogadores campeões do mundo. “Muitas vezes, quando chego a casa, ainda vou ver o golo que fiz na final. Apesar de ser um golo banal, vou vê-lo sempre. Puxo para trás e vejo umas cinco vezes.” E pensar que começou a jogar na areia, pelo clube dos Pousos, há apenas três anos.

Recorda-se muitas vezes dos arrepios que sentia a entoar o hino: “depois de ouvi-lo parecemos o Hulk”. As palavras de Marcelo também não lhe saem da cabeça, de resto, como a recepção na Cidade do Futebol feita por alguns nomes grandes. “Disse ao mister Fernando Santos que ele é o maior”, recorda, orgulhoso do tempo que passou junto daqueles que são, ainda e se

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.