Abertura

Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande apresenta 50 propostas ao Governo

23 jul 2020 15:10

Dina Duarte: “Esperamos que se cumpram as promessas feitas”

associacao-de-vitimas-do-incendio-de-pedrogao-grande-apresenta-50-propostas-ao-governo
Dina Duarte, presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande
DR

Um cheque de 7.000 euros por ano para trabalhadores residentes há mais de cinco anos no concelho é uma das medidas defendidas pela Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG) para revitalizar o território castigado pelas chamas em 2017.

As 50 propostas preenchem um documento com o título Missão Fénix que está nas mãos do Governo desde sexta-feira, 17 de Junho. Apresenta ideias nos domínios da floresta, prevenção de fogos, combate ao despovoamento, transportes, turismo ou telecomunicações. A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, recebeu-o numa reunião na sede da AVIPG em que participou com autarcas e outros representantes dos municípios do norte do distrito de Leiria.

Leia também: "Ainda há seis casas do incêndio de Pedrógão Grande por acabar ou reconstruir"

Com o objectivo de combater o despovoamento, a associação sugere a isenção integral de impostos e TSU (Taxa Social Única) durante dez anos para novas empresas com mais de dez postos de trabalho, a criação de uma unidade móvel de saúde por concelho e o fim das portagens nas autoestradas A13 e A23.

Por outro lado, é considerado urgente o reforço da cobertura fixa e móvel e a instalação de fibra óptica, designadamente, para permitir o teletrabalho e atrair novos habitantes ou visitantes para Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos.

Dina Duarte: “Esperamos que se cumpram as promessas feitas”
 
Podemos concluir, tendo em conta o documento que a Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande entregou ao Governo na sexta-feira, que esperavam uma intervenção do Estado diferente, e, eventualmente, mais rápida e musculada?
 
Esperamos do poder político que se cumpram as promessas feitas a este território e a estas gentes, desde 18-6-2017. Cada dia, mês, ano que passa somos menos e mais em risco. O documento reflecte as necessidades e as soluções que pretendemos ver concretizadas neste território. A Missão Fénix é um documento em aberto, que irá certamente receber diferentes contributos, para este interior de baixa densidade populacional. Pretendemos uma intervenção do Estado diferenciadora e eficiente. Três anos é muito tempo!
 
Estão concluídas 95% das casas atingidas pelo incêndio de 2017, mas há seis processos por fechar, três anos depois. Como olham para estes números?
 
Três anos depois, seis processos por terminar é para a AVIPG preocupante. Sabemos que há pelo menos duas famílias realojadas. Aguardamos do Revita resposta a uma questão que colocámos.
 
Que questão é esssa?
 
É relativa a uma das casas de primeira habitação que entretanto está parada e que não configura qualquer irregularidade.
 
Na revitalização do território e no auxílio à população dos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, o que correu melhor, até agora?
 
É difícil de identificar o que correu melhor, mas, apesar de tudo, o facto de quem perdeu a sua casa estar realojado e voltar à sua “vida normal” é uma benção. De resto, olhar em volta e ver a falta de organização na pseudo-floresta, ou a falta de telecomunicações, ou tantos outros problemas, continua a ser a realidade. Mas somos uma gente resiliente e esperançosa que num futuro próximo muito mude, porque tem de mudar e aguardamos que a senhora ministra da Coesão Territorial seja a nossa voz no Governo e dele venha o cumprimento das promessas.

Os objectivos da Missão Fénix passam por definir um programa quadro de combate à desertificação das regiões do interior do País promovendo o desenvolvimento e coesão territorial; provocar imigração nacional e estrangeira; criar empregos e fixar população; fomentar o rejuvenescimento da população; desenvolver condições de prevenção de incêndios florestais; dar continuidade aos programas já implementados e em curso, estabelecendo um plano de acções concretas a aplicar nos próximos anos; e discutir a forma de intervenção do Ministério da Coesão Territorial na implementação das 50 acções Fénix.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.