Sociedade

Brisas do Liz: uma marca registada pela Ponto Rebuçado

29 ago 2019 00:00

Doce está ligado ao nascimento do Café Colonial. As Brisas do Liz concorrem para ser uma das 7 Maravilhas de Portugal.

brisas-do-liz-uma-marca-registada-pela-ponto-rebucado-10625

Não há certezas quanto à origem das Brisas do Liz. Sabe-se que ganharam fama com a abertura do Café Colonial, através de duas amigas que se instalaram em Leiria vindas de Angola.

A sua história poderá estar ligada a um convento no Alentejo, mas até ao momento ninguém conseguiu comprovar o nascimento da receita das Brisas do Liz, um dos doces regionais que está na corrida por um lugar na final do concurso 7 Maravilhas Doces.

Certo é que a marca está registada e pertence a Susana Arede, proprietária da Ponto Rebuçado Doçaria, empresa familiar que se dedica ao fabrico de pastelaria. “Não quero impedir ninguém de fabricar as brisas, nem quero ficar com a marca para mim. O meu objectivo é garantir uniformização ao produto e que a confecção não seja desvirtuada”, explica Susana Arede, que espera que as Brisas do Liz sejam uma das 7 Maravilhas Doces.

“Quando abriu a loja Brisas perguntaram- me se me opunha. Claro que não. Sozinha não chego a lado nenhum. Só pretendo tornar as Brisas do Liz no bolo da cidade com algum critério”, reforçou.

Para esta pasteleira, Leiria tem de avançar com o processo de Identidade Geograficamente Protegida das Brisas do Liz. “É uma forma de dar qualidade ao produto. Não podemos ter doces maiores, mais pequenos, mais amarelos, mais escuros, com amêndoa triturada, com farinha de amêndoa...”

A ideia de registar um produto que já existia surgiu depois do hipermercado Continente ter contactado Susana Arede para ser fornecedora de Brisas do Liz. “De repente vi-me com cinco mil caixas à frente, com a impressão do nome e pensei: ‘e se de repente vier alguém e registar o nome, o que faço com isto?’”, revela.

Avançou com o processo e, após toda a burocracia, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial fixou o registo em seu nome, em 2013. Susana Arede explica que optou por inscrever Liz com a letra ‘z’ para “conferir antiguidade ao nome”. “Era assim que se escrevia antigamente e como o doce já é bastante antigo...”

“Nunca houve grande interesse pelas Brisas do Liz. Só me lembro de um grande destaque quando diversas pastelarias da cidade se organizaram num evento com vista à inscrição das Brisas do Liz no World Guinness Book of Records, em 2001.”

Aliás, Susana Arede revela que no ano passado a Câmara reuniu vários pasteleiros para os desafiar a criarem o ‘pastel de Leiria’, como um doce que identificasse a cidade. “Como surgiu o concurso das 7 Maravilhas e o doce ainda não existia, apostou-se nas brisas. A autarquia pediu-me para ceder a marca para publicidade e marketing, o que fiz gratuitamente até Outubro.”

A empresária não recebeu qualquer contrapartida em troca. O kit de marketing que lhe seria oferecido não se aplicava ao seu negócio, por ser uma fábrica. “Não fazia sentido darem-me camisolas e panfletos, porque não tenho um espaço aberto ao público. Mas esperava que me pudessem compensar de alguma forma. Infelizmente, nunca chegou proposta adequada à minha realidade”, lamenta.

Oriunda de uma família de doceiros, a empresária passou a dedicar- -se à pastelaria quando ficou desempregado. Criou um pequeno espaço de fabrico próprio no Vale do Horto, em Azoia, Leiria, e além das brisas confecciona outros bolos. Brisas do Liz concorrem à final Leiria vai ter os olhos postos em Ferreira do Zêzere no próximo sábado, dia 31.

NÚMERO
31

No próximo sábado, dia 31 de Agosto, terão lugar as meias-finais do concurso 7 Maravilhas
Doces de Portugal
. Para que as Brisas do Liz sejam finalistas é preciso que o maior número de pessoas ligue para o número 760 107 009 (custo da chamada 0,60€+IVA)

É nesta localidade, a partir das 21 horas, que começa a segunda meia- -final das 7 Maravilhas Doces e as Brisas do Liz concorrem com Boleima de Portalegre, Bons Maridos, Filhós de Cabrela, Folar de Olhão, Ovos Moles de Aveiro, Palha de Abrantes, Pastel de Nata, Pastel de Tentúgal, Porquinho Doce, Pudim de Nozes do Convento de Jesus de Setúbal, Queijadas, Sardinha Doce de Trancoso e Tigelada de Proença-a-Nova por um lugar na final.

O doce tradicional de Leiria, com base numa receita onde os ovos, o açúcar e a amêndoa são reis, é uma das iguarias apreciada por quem visita a região.

Aliás, é usual a oferta de uma ‘caixinha’ de brisas nos eventos oficiais e é o presente que os estudantes de fora que chegam a Leiria gostam de levar nas visitas a casa. Mas afinal como surgiram as brisas? Os relatos dividem-se.

Se há quem refira que a origem poderá estar nas m

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO