Economia

Dez trabalhadores da empresa de limpezas BEYEVA reclamam salários em atraso à porta da firma

29 ago 2019 00:00

Nove deslocaram-se de Lisboa e um de Viseu.

dez-trabalhadores-da-empresa-de-limpezas-beyeva-reclamam-salarios-em-atraso-a-porta-da-firma-10633
Jacinto Silva Duro

Dez trabalhadores da BEYEVA estão, desde segunda-feira, a dormir em carros estacionados à porta desta empresa do ramo das limpezas sediada em Leiria, para exigir o pagamento de salários em atraso. 

 Feliciano Ferreira é um desses trabalhadores. Com dois meses de ordenados em atraso a que se juntam montantes relativos a trabalho aos domingos e feriados. "São quase dois mil euros. Ontem fomos com o gerente da BEYEVA ao banco, mas ficámos à porta e nos nos foi paga qualquer valor", conta. 

O trabalhador refere ainda que, só em Março deste ano, recebeu o subsídio de férias relativo a 2018.

Já José Gomes tem a haver cerca de dois mil euros, porém diz que há colegas que já contam com quatro meses de salários em atraso. "Sabemos que podemos rescindir os contratos, mas, depois, nunca mais recebemos o dinheiro e resolver estes assuntos pelas vias legais, é muito demorado."

"Se pudessemos rescindir amigavelmente, começávamos logo a trabalhar noutro sítio", acrescenta outro dos funcionários.

O JORNAL DE LEIRIA falou hoje, dia 29 de Agosto, ao fim da tarde, com os trabalhadores à porta da empresa, ocasião em que eles tentaram, mais uma vez, que o gerente lhes pagasse.

Segundo contaram, não só não o fez, como ainda chamou ao local a polícia para o escoltar para fora das instalações da empresa. 

AInda no local, o JORNAL DE LEIRIA tentou ouvi-lo mas este mandou transmitir "não estar em condições para prestar declarações".