Viver

Nesta Casa Comum, a arte toma partido pela Natureza

30 abr 2021 16:54

É inaugurada hoje, no BAG – Banco das Artes Galeria, em Leiria, a nova exposição de Hirondino Pedro e Sílvia Patrício

nesta-casa-comum-a-arte-toma-partido-pela-natureza
Hirondino Pedro e Sílvia Patrício durante a montagem de Casa Comum
Ricardo Graça

Diz o (quase) consenso científico que estamos a experienciar um período em que o ser humano, enquanto espécie, contribui para alterações climáticas com efeitos potencialmente devastadores, mas, na exposição Casa Comum, de Hirondino Pedro e Sílvia Patrício, com pintura, desenho, escultura, instalação e fotografia, a inaugurar esta sexta-feira, 30 de Abril, em Leiria, a Natureza retoma o centro dos acontecimentos.

Nesta Casa Comum, a casa é, já se vê, “uma metáfora” para o planeta.

Há muitos elementos na Natureza, incluindo o Homem”, explica Hirondino Pedro. “E só cuidando deles poderemos sobreviver”.

É a arte “a pensar os problemas reais que vivemos hoje”. E a procurar respostas. Hirondino Pedro dá-lhe nome: arte regenerativa.

O mote encontra-se, por outro lado, na instalação O Diálogo das Quatro Estações, de Sílvia Patrício, que se inspira no conflito e na desordem a que os dias e as noites estão sujeitos, na actualidade, com Verão e Inverno tantas vezes fora de tempo.

Cada uma [das estações] tem de encontrar o seu lugar e não consegue”, comenta.

Ou, ainda, nas duas braçadeiras em bronze com que a artista de Leiria conduz o olhar para a situação dos refugiados que morrem a tentar atravessar o Mediterrâneo.

A economia põe o objecto acima da Natureza e da vida humana”, resume. O peso do metal sobrepõe-se, afunda valores.

Fotografias de Ricardo Graça

Casa Comum, aberta ao público a partir de amanhã, 1 de Maio, no BAG – Banco das Artes Galeria, é uma reflexão a dois, tanto artística como ecológica, que constrói uma ponte entre o mundo interior e o mundo exterior, com Sílvia Patrício num plano idílico, transcendental, como um grito silencioso, e Hirondino Pedro a expressar a potência, a diversidade e a fertilidade contidas na matéria.

Uma exposição com som e cheiro, com sementes e flores, com areia no chão e plantas, que tem também um lado de activismo, de intervenção, de apelo à acção.

Regenerar a cultura e regenerar a Natureza” para “regenerar o social”, propõe Hirondino Pedro.

O circuito expositivo coloca o público perante uma série de aguarelas em que árvores são destruídas com o auxílio de máquinas e ferramentas, a tecnologia que só a civilização é capaz de produzir.

Segue-se, na primeira sala, uma estrutura construída a partir de canas e, nas paredes, diversos trabalhos dispostos com menos régua e esquadro do que costuma acontecer numa galeria ou museu, opção que permite a comparação com as interdependências entre plantas no contexto natural, sem ordem aparente.

Trabalhos de Hirondino Pedro em Casa Comum, fotografados por Ricardo Graça

Já no piso superior do BAG, a pintura Paraíso, de Sílvia Patrício, procura representar a relação “entre a natureza e a economia, um serpentear de um sobre o outro, como que um jogo”, eventualmente marcado por deslumbramento ou tragédia.

Na derradeira sala, o chão coberto de areia, um oceano, uma mulher, “ambos berços da vida”, escreve Sílvia Patrício no texto de apoio à exposição, desafiam a contemplar e a reflectir.

E, em Casa Comum, está sempre presente o convite para colocar a Natureza e a vida humana à frente dos guiões materialistas que, quase sempre, orientam o quotidiano.

Um olhar activista sobre a sociedade e os tempos de agora”, resume Ana David Mendes, coordenadora do BAG.

Casa Comum, para ver até 18 de Julho, em Leiria.

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.