Sociedade

Parabéns senhoras doutoras: Ana Carreira e Bárbara Saraiva

23 nov 2019 14:25

Há sete anos Ana Carreira e Bárbara Saraiva foram das melhores alunas do distrito. As médias de 19 e 20 permitiu-lhes a entrada em Medicina. Hoje são médicas e começaram a especialidade.

Bárbara Saraiva está a tirar Pediatria.
Bárbara Saraiva está a tirar Pediatria.
Ana Carreira está a especializar-se em Endocrinologia
Ana Carreira está a especializar-se em Endocrinologia
Ricardo Graça/Arquivo

Sete anos depois de serem as melhores alunas do secundário, Ana Carreira e Bárbara Saraiva são agora médicas. Uma ficou rendida às hormonas e a outra cumpriu o sonho de cuidar das crianças. Em Agosto de 2012, o JORNAL DE LEIRIA revelou duas das melhores alunas do distrito, com médias de 19 e 20 valores. Fomos procurá-las e descobrimos que hoje são médicas e que um curso de Medicina é difícil, mas não um bicho papão, sobretudo quando há método e paixão por aquilo que se faz.

Ana Carreira, natural de Alcobaça, entrou na Faculdade de Medicina de Coimbra com o objectivo de seguir investigação na área médica, mas as hormonas falaram mais alto e, há cerca de um mês, entrou na especialidade de Endocrinologia/Nutrição no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

“Inicialmente, quando decidi estudar Medicina, estava algo receosa de não saber gerir as minhas emoções, ver pessoas doentes, trabalhar todos os dias num hospital. Mas quando comecei a frequentar o hospital e a falar com os doentes, rapidamente percebi que era algo que gostava. Além de desafiante, era a melhor parte do meu trabalho”, revela Ana Carreira. Ainda assim, admite não descartar totalmente a possibilidade de conciliar a prática da medicina com a investigação, “caso surja essa oportunidade”.

Ana Carreira escolheu Medicina como primeira opção, porque sempre “gostou imenso da interacção pessoal e do diálogo com as pessoas”. E foi exactamente isso que correu melhor ao longo do seu percurso de estudante, durante o qual aprendeu a “dialogar com os doentes e a extrair informações úteis para perceber os seus problemas e poder equacionar soluções para os mesmos, sem nunca perder a componente humana de empatia”, que considera “extremamente gratificante”.

O facto de vir com um “bom método de estudo” no ensino secundário, contribuiu para o sucesso académico no ensino superior, mesmo sendo o estudo bastante diferente, “quer no volume de matéria a estudar quer no conteúdo da mesma”.

“Todos sentimos sempre alguma dificuldade quando se entra na universidade, porque se trata de um estudo muito mais exigente, com muita matéria e, especificamente no curso de Medicina, com uma componente muito teórica, que achei particularmente difícil de gerir, mesmo eu que sempre gostei de Matemática e Físico-Química.” Ainda assim, adaptou-se bem e conseguiu “remodelar” o seu estudo para essa nova realidade, “sem nunca perder o verdadeiro método de estudo, que sempre foi tentar primeiro compreender o mecanismo das coisas”.

“Apesar de nem sempre isso ser suficiente para fixar a matéria que precisava, certamente que continuou a facilitar bastante o meu estudo durante a faculdade.” Endocrinologia surgiu porque, “além de ser uma área de conhecimento muito vasta, acaba por ser extremamente racional, tudo faz sentido”.

“Sabendo a função de cada hormona e o seu mecanismo de acção, é fácil entender os sintomas que provoca quando está em défice ou excesso. Aliás, muitas vezes basta olhar para a pessoa para ficar com algum diagnóstico em mente.”

No secundário, Ana era atleta federada de andebol e o estudo não a impedia de sair com os amigos. Na faculdade, continuou a conciliar o estudo com as saídas com amigos, namoro e desporto.

“Para mim, sempre foi mais produtivo manter actividades que gostasse e estudar menos tempo, mas mais afincadamente, do que muito tempo e sem grande ‘pressão’. Ainda assim, havia alturas mais complicadas, como a época dos exames em que tinha de dedicar mais horas ao estudo e menos horas às outras actividades.”

Deixou o desporto federado, que substituiu por idas ao ginásio, onde frequenta aulas de grupo. “Não é a mesma coisa, mas consigo fazer o horário que me dá mais jeito e acabei por descobrir aulas bastante desafiantes, das quais gosto muito.”

Música e medicina

Desde pequena que a vida de Bárbara Saraiva está interligada à Medicina ou não fossem os pais médicos de profissão. A música é uma paixão que também a acompanhou sempre. Hoje, aos 25 anos, as duas actividades continuam a fazer parte da sua vi

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO