Entrevista

Manuel Bento: “Os alunos não são piores do que há 30 anos”

6 set 2020 14:52

 O director pedagógico do Centro de Estudos de Fátima defende que as escolas têm a obrigação de ser inventivas e tem receio do pânico dos pais, que pode surgir com os sintomas de gripes ou constipações no Inverno

Manuel Bento é director pedagógico do CEF
Ricardo Graça

O final do ano foi atípico e o início deste ano lectivo traz mais desafios. Que perspectiva tem?
Relativamente ao panorama nacional, vamos encontrar muitas realidades, como escolas sem condições nenhumas para manterem o distanciamento social mínimo e com problemas gravíssimos nos refeitórios. O sistema take away não vai resolver só por si. No Centro de Estudos de Fátima [CEF] temos uma vantagem: somos uma escola enorme, preparada para o dobro dos alunos que nos autorizam a ter, o que significa que não nos faltam salas. Temos um refeitório para 300 alunos, logo, é fácil transformá-lo para 150 e fazer refeições por turnos. Já tínhamos carteiras individuais, portanto, quase que estávamos preparados para uma contingência deste tipo. No entanto, há cuidados que temos de ter. A piscina, que servia não só os nossos alunos, mas principalmente a população de Fátima, vai continuar encerrada. As instalações desportivas serviam um conjunto de associações e agora há muitas restrições.

Como vão decorrer as aulas de Educação Física?
Pelo que sei, a Direcção-Geral da Saúde ainda vai emitir um documento com algumas recomendações. De qualquer maneira, temos um plano preparado: os desportos colectivos de bola não vão existir. Vamos privilegiar os desportos individuais como o atletismo e a actividade ao ar livre. Estamos a fazer uma reformulação de toda a planificação dos conteúdos que se pretendem dar na Educação Física. Temos também o problema dos laboratórios de informática e de ciências experimentais. Há determinadas actividades como a utilização de microscópios que não vão poder ser feitas. Não vamos estar a desinfectar oculares a toda a hora. Nos laboratórios de informática é comum a partilha de computadores, o que não poderá ser feito.

Como fica a socialização e a concentração dos alunos, quando se sugerem intervalos mais curtos?
Temos de conciliar o que será o óptimo com o que também é importante para o desenvolvimento da criança. As cargas horárias continuam a ser grandes, os miúdos passam muito tempo na escola. O CEF não vai fazer o desdobramento de manhã e tarde. As escolas têm a obrigação de ser inventivas, para terem as crianças em segurança, respeitando as regras o mais possível, porque os pais têm de trabalhar e o País não pode parar. O confinamento mostrou o quão importantes são as escolas para que o País produza. Não vamos optar por intervalos mais pequenos. Cumprindo os tempos da matriz curricular, vamos desfasar os intervalos, de modo a que possam usufruir de, pelo menos, dez minutos de pausa. É evidente que haverá uma vigilância acrescida para evitar os contactos corporais. A experiência recente do regresso às aulas do secundário mostrou que, independentemente de todos os cuidados, ao fim de algumas horas os alunos esquecem a Covid. Vamos esforçar-nos ao máximo, mas temos de ser realistas. Não devemos viver com medo. Devemos viver sim com consciência de que existe um perigo e que temos de ter cuidado. Não vamos tornar a escola num sítio odioso para os jovens. Temos de continuar a fazer desta escola uma escola amiga dos alunos e das famílias, onde se viva bem e onde se goste de estar.

Mas pode correr mal.
Estou confiante, mas realista que isto pode correr muito mal. Não sabemos como vai ser o Inverno. O meu grande receio é do pânico que se pode instalar nas famílias. Quando o governo decidiu encerrar as escolas, achei prematuro. Do ponto de vista pandémico, continuo a achar, mas do ponto de vista do pânico gerado nas famílias considero que fez bem. Se tivéssemos três ou quatro suspeitas, os alunos deixariam de vir à escola. O meu receio é que se crie pânico, apesar da população estar muito mais consciente. Gostaria, por isso, que se agilizasse o despiste de um caso suspeito na escola. É preciso transmitir que não é por aparecer um aluno positivo que todos vamos ser contagiados. Tenho a certeza que vou ter dez casos por dia com gripe ou com uma amigdalite e vamos ter as escolas em pânico.

Tem casos de risco que obriguem professores ou alunos a ficar em casa?
Tenho um ou dois casos de alunos que me enviaram um atestado médico a dizer que não podem assistir às aulas presencialmente. Vamos ter de gerir o receio da família com o que é ideal para o aluno. Se tivermos alunos que comprovadamente não podem vir à escola, vamos transmitir as aulas em tempo real. Mas, seria muito mau se um aluno ficasse um ano inteiro em casa sem vir socializar com os colegas. Apesar de um ou outro professor de risco, eles já manifestaram que não pretendem ficar em casa. Se houver necessidade, os professores estarão em casa a dar as aulas e os alunos na escola, com a supervisão de outro professor, de um funcionário ou de um aluno que faça tutoria.

O ensino à distância ‘de um dia para o outro’ revelou a qualidade das escolas e dos seus professores, que montaram um sistema desconhecido em pouco tempo e que, na maioria, das situações funcionou?
Constatou-se o que já sabíamos: temos um grupo de professores fantástico. No CEF, temos uma escola com uma filosofia de muita delegação. Houve um conjunto de professores que rapidamente construiu um modelo de ensino à distância. Na quinta-feira, foi decidido que as escolas iam fechar, na sexta-feira, os nossos alunos levaram trabalho para fazer em casa e, na segunda-feira, já tínhamos duas plataformas para trabalhar à distância. Criou-se um call center com cinco professores para tirar dúvidas aos pais

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
ASSINE JÁ
EVENTOS