Ricardo Charters d'Azevedo, engenheiro

Ricardo Charters d'Azevedo, engenheiro

A culpa morre sempre solteira

Em Portugal tudo fica no ar, e raramente há consequências e ficamos com um sentimento que a justiça não acompanha o que se passa.

26 nov 2015

Margarida Balseiro Lopes, deputada do PSD

Margarida Balseiro Lopes, deputada do PSD

O "nosso" IPL

É absolutamente extraordinário o trabalho desenvolvido na área da investigação tal como os resultados alcançados, nomeadamente, através do registo de patentes.

26 nov 2015

Odete João, deputada do PS

Odete João, deputada do PS

A decisão

O presidente da República, depois de um longo arrastamento da viabilidade de uma solução alternativa, impôs condições inéditas e que nunca tinha colocado a qualquer outro governo nos seus dois mandatos. Adiou a inevitabilidade de um novo quadro político.

26 nov 2015

Moisés Espírito Santo, sociólogo

Moisés Espírito Santo, sociólogo

Sobre a padroeira de Portugal

No princípio, o culto da Grande Deusa relacionava-se sobretudo com a maternidade. A mãe, dispensadora da vida, era a personagem actuante à qual dizia respeito a reprodução humana.

26 nov 2015

Luís Mourão, dramaturgo

Luís Mourão, dramaturgo

Olhar em frente

"Não é de todo coisa de menosprezar ter Leiria assim singelamente começado a reivindicar para si, para além da óbvia geografia e do conhecimento restrito, um dos mais importantes sítios do património mundial."

19 nov 2015

Paulo Martins

Paulo Martins

Uma reflexão pessoal sobre o X encontro COTEC Europa

"Conseguimos encontrar inspiração na nossa história, e em muitos exemplos atuais de empresas, universidades, centros tecnológicos, associações empresariais e de voluntariado."

19 nov 2015

Vítor Hugo Ferreira, docente na ESTG, Politécnico de Leiria

Vítor Hugo Ferreira, docente na ESTG, Politécnico de Leiria

O paradoxo angolano

"Em Angola os impostos são muito elevados e difíceis de pagar (...)Obviamente é um país onde subsiste um determinado nível de corrupção e onde existem questões de segurança significativas."

19 nov 2015

Leonel Pontes

Leonel Pontes

Porquê Marrazes

"Mas ainda assim não é crível que Marrazes seja um topónimo milenar. Por isso a sua origem é mais plausível vir de “masreses”."

19 nov 2015

Clara Leão, professora de dança

Clara Leão, professora de dança

A cidade líquida

"Paulo Cunha e Silva promoveu na cidade uma cultura transversal, ecléctica e apaixonada; popular, experimental e clássica; irreverente, livre e séria."

19 nov 2015

Paula Simões

Paula Simões

Ainda a Mata dos Marrazes

"Mesmo subaproveitada, aquela enorme massa de vegetação já desempenha, incógnita e gratuitamente, funções vitais que contribuem para o equilíbrio da paisagem (...) para a qualidade de vida humana num raio de influência que nem sequer temos consciência".

19 nov 2015

Clarisse Louro

Clarisse Louro

Choremos, não nos resta outra coisa...

Choramos hoje Paris. Como amanhã choraremos uma outra das nossas cidades que amamos. Choremos os mortos. Choremos os feridos e espoliados. Choremos as famílias desfeitas. Choremos a hipocrisia…

19 nov 2015

Henrique Neto

Henrique Neto

Mudar de rumo - O mau Governo

"(...) no caso português, os erros e as omissões foram de tal ordem que conduziram Portugal a ter de pedir por três vezes ajuda externa, o que representa uma grave confissão de incompetência"

19 nov 2015